Dicionário da Propaganda /
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
E-COMMERCE Este é um comércio caracterizado pela troca de bits, onde as transações são feitas no Cyberspace. O relacionamento é digital e, portanto, virtual. Os produtos ou serviços se utilizam de uma mídia digital, a multimídia e os principais veículos deste comércio são: CD- ROM, quiosques, BBS e Internet. É também conhecido como comércio virtual ou comércio eletrônico. 
E-MAIL 1-Abreviatura de electronic - mail, ou correio eletrônico. Serviço que proporciona a troca de informações on- line à distância. Proporciona ao usuário vantagens que superam o telefone, os correiose o fax, pois com o e- mail qualquer pessoa com uma linha telefônica e um computador dotado de modem terá a possibilidade de interligar- se instantaneamente com o resto do planeta. 2- Correio eletrônico. É o serviço de maior alcance na Internet. Permite a troca de mensagens entre usuários de forma cada vez mais interativa. Poderosa ferramenta de marketing, atualmente no estado da arte, que terá desdobramentos antes nunca imaginados pelo marketing direto.
E-MARKETING Veja Marketing digital. Também chamado de Cybermarketing ou E-marketing, o marketing digital está surgindo. Não existe ainda uma definição clara do que é marketing no cyberspace. Os "marketeiros" sérios, como Peter Drucker, Tom Peters ou James Martin, não partilham a mesma opinião entre si. Isso ocorre porque não há, ainda, exemplos consistentes e a mídia não está consolidada. Por exemplo: o texto é, hoje, a mídia mais importante, mas será claramente substituída pela voz. A primeira vantagem do marketing digital é o atendimento totalmente personalizado a um custo de atendimento de massa. O que Stan Rapp previu em seu livro (RAPP, Stan. Maximarketing. São Paulo: Makron Books, 1994) (o consumidor sendo atendido individualmente) não aconteceu, de fato, com o marketing direto, mas vai acontecer com o marketing digital. A segunda grande vantagem, mais imediata, é a substituição dos catálogos e manuais: muito mais completo, atual e barato para quem produz e não ocupa espaço de quem os utiliza. Existe uma enorme gama de vantagens, principalmente para o futuro. O Marketing Digital vai colonizar o cyberspace e tornar a realidade virtual uma virtualidade real, trazendo retorno sobre o investimento e transformando significativamente as relações de negócios. 
EDIÇÃO Tarefa de editar as cenas gravadas (em videoteipe) de um comercial, organizando, selecionando e colocando-as na seqüência adequada. Esse trabalho (que corresponde à montagem do cinema) geralmente é feito em duas etapas, à primeira para ter uma primeira edição (equivalente ao copião do filme) e a segunda para fazer a edição final do comercial. (Ver Copião e Montagem)
EDITAR Em jornal, selecionar o que vai ser impresso. Em produção eletrônica, escolher e selecionar a ordem em que vão entrar as diversas cenas filmadas.
EDITOR Em produção, profissional que faz a edição ou aparelho de videoteipe que realiza esse trabalho. (Ver Edição)
EDITORA Empresa que edita revistas ou jornais.
EFEITO ESPECIAL Em produção, qualquer efeito mecânico (realizado durante a filmagem ou gravação), fotográfico ou de edição (realizado na etapa de finalização) capaz de gerar uma imagem especialmente modificada da realidade, dramatizando a intenção de comunicação desejada. (Ver Filmagem, Finalização e Gravação).
EFEITO RESIDUAL Aquilo que fica gravado como lembrança / percepção nas pessoas de uma peça ou campanha de propaganda (Ver Recall)
EFICÁCIA DA ASSISTÊNCIA Mede até que ponto a assistência recebida exerce o efeito desejado com um mínimo de esforço ou desperdício de recursos. EFICÁCIA: Capacidade de fazer o trabalho atribuído. Razão pela qual se realiza uma ação, observando osresultados alcançados e os objetivos atingidos. 
EFICIÊNCIA Refere-se à capacidade de executar corretamente uma determinada tarefa com o melhor aproveitamento(otimização) dos recursos disponíveis. É fazer certo a coisa. 
ELASTICIDADE DA DEMANDA Capacidade que o mercado tem em absorver quantidade cada vez maiores de bens de consumo. 
ELASTICIDADE DA PROCURA Relação entre a variação da procura de um produto e as alterações de variáveis com as quais possa estar relacionada, como por exemplo o rendimento dos consumidores ou dos preços. 
EMBALAGEM PROMOCIONAL Embalagem produzida para utilização específica numa determinada promoção (datas comemorativas, "leve 3 pague 2", inclusão de brindes e bônus de volume).
EMBALAGENS DISPLAY Embalagem que também funciona como display.
ENCAIXE 1. Em mídia, disponibilidade de tempo ou espaço em um veículo. 2. Em direção de arte, espaço aberto em um texto para colocar a ilustração, ou vice-versa. 3. Em artes gráficas, técnica de justapor dois ou mais cromos em uma matriz (fotolito, rotofilme, etc.) 4. Ato de preencher uma janela com anúncio ou comercial. (Ver Cromo, Fotolito, Janela e Rotofilme).
ENCALHE Diferença entre a circulação e a tiragem de um veículo impresso, que é devolvida pelas bancas e distribuidores às editoras. (Ver Circulação e Tiragem)
ENCARTE Peça publicitária gráfica encartada em jornal e revista, no formato do veículo ou não. Serve para dar visibilidade à mensagem, ser destacada pelo consumidor ou para atingir segmentos geográficos e de mercado.
ENDOMARKETING É a utilização de ações de marketing voltadas para o público interno das empresas. Ver MARKETING INTERNO
ENTRELINHA Em artes gráficas, espaço entre as linhas de um título ou texto.
ENVERNIZADO Material impresso que recebeu aplicação de verniz total ou localizado.
ESCALA DE CORES Em artes gráficas, as provas de cada uma das cores (geralmente quatro) de uma matriz para impressão. Serve para que o impressor possa controlar a impressão de cada cor de modo a atingir um bom resultado final, ou ainda para o designer conferir como ficará impresso a cor que ele está utilizando no layout.
ESPACEJAMENTO Em artes gráficas, espaço entre as letras de um título ou texto.
ESPAÇO Em mídia, todo e qualquer espaço (na mídia impressa) ou tempo (no rádio, TV e cinema) publicitário. (Ver Tempo)
ESPELHADO Em mídia, (designa anúncio em uma página anterior ou posterior a outra que também tem uma mensagem publicitária).
ESPELHO Esquema da diagramação de uma publicação (Ver Diagramação)
ESPM - Escola Superior de Propaganda e Marketing Entidade de ensino do mercado publicitário, com sede em São Paulo e unidades no Rio de Janeiro e Porto Alegre.
ESTANDE Pequena construção ou balcão armado em feiras ou locais públicos para servir de base a promotores e divulgadores de uma empresa ou marca, receber clientes e prospects, expor mercadorias e amostras, material publicitário ou promocional.
EXECUÇÃO 1. Em mídia, a tarefa de executar a mídia, emitindo as autorizações e enviando os materiais. 2. Na criação, a tarefa de dar forma física às mensagens. (Ver Autorização e Produção)
EXECUTIVO DE CONTA Profissional da área de atendimento de agência. (Ver Atendimento)
EXIBIÇÃO Veiculação da mensagem publicitária pelo veículo.
EXPOSIÇÃO Sinônimo de cobertura alcançada por um meio, veículo, campanha ou peça publicitária. (Ver Cobertura, Meio e Veículo).
EXTERNA Em produção, a filmagem ou gravação (em videoteipe) de cenas fora de estúdio, ao ar livre. (Ver Filmagem, Gravação e Locação).